Uncategorized

HIGIENE NA ORDENHA

Parte 1

Uma parte importante das boas práticas agropecuárias na produção leiteira é a consistência na aplicação diária dos procedimentos de ordenha.

A ordenha é a atividade central da pecuária leiteira. Os consumidores demandam alto padrão de qualidade do leite, assim o manejo da ordenha objetiva minimizar as contaminações microbiana, química e física. O manejo de ordenha envolve todos os aspectos do processo de obtenção do leite de animais com rapidez e eficácia, garantindo ao mesmo tempo a saúde dos animais e a qualidade do leite.

Alguns itens básicos devem ser feitos e analisados periodicamente

Identificar individualmente os animais que necessitam de manejo diferenciado de ordenha

Preparar adequadamente o úbere para a ordenha

Lavar e secar os tetos sujos antes da ordenha. Ordenhar apenas animais com tetos limpos e secos. Examinar o úbere e os tetos para anormalidades que possam indicar mastite clinica. Os primeiros jatos de leite devem ser retirados e avaliados para detecção de anormalidades antes da ordenha de cada animal. Isso pode ser exigência regulatória para animais leiteiros em alguns países.

Teste de CMT (Califórnia Mastite Teste)

Ordenhar as vacas com regularidade, usando procedimentos padronizados de ordenha Instituir horários e rotinas de ordenha regulares. Garantir que boas práticas de ordenha sejam utilizadas consistentemente. Práticas de ordenha incorretas ou mudanças frequentes na rotina podem aumentar o risco de ocorrência de mastite e de injúrias para o animal. O procedimento correto para a ordenha mecânica é:

• preparar os animais adequadamente antes da ordenha;

• colocar as teteiras em tetos limpos e secos;

• evitar a entrada desnecessária de ar na colocação das teteiras;

• evitar a sobreordenha;

• remover as teteiras gentilmente; e

• aplicar o desinfetante em cada teto depois da ordenha, de acordo com as recomendações e regulamentos oficiais. O procedimento correto para a ordenha manual é:

• conter o animal a ser ordenhado utilizando métodos que não causem dor ou lesão;

• assegurar que as mãos do ordenhador estejam limpas e secas;

• preparar os tetos para a ordenha, assegurando que eles estejam limpos e secos;

• utilizar somente desinfetantes de tetos de acordo com as recomendações e regulamentos nacionais;

• manipular os tetos gentilmente, mas de maneira firme evitando causar desconforto, dor ou lesão no animal;

• utilizar baldes que não sejam de material corrosivo, fáceis de limpar e desinfetar e que não transfiram substâncias estranhas para o leite;

• evitar a contaminação do leite com materiais estranhos, como poeira, sujeira, solo, urina, esterco (fezes) e proteger de moscas; e

• aplicar desinfetante em cada teto após a ordenha, de acordo com as recomendações e regulamentos oficiais.

Separar o leite obtido de animais doentes ou em tratamento para descarte adequado Animais cujo leite seja impróprio para consumo humano devem ser ordenhados por último ou por sistema ou balde separados. Armazenar ou descartar o leite anormal de forma adequada para evitar riscos para seres humanos, animais e meio ambiente.

Como você acabou de ler, são vários os procedimentos para assegurar um leite de qualidade na higiene da ordenha, no próximo post continuaremos a descrever o que deve ser importante para obter um leite de qualidade. Na plataforma Lactag você pode entrar em contato com os nossos profissionais para tirar duvidas e começar a utilizar o nosso sistema.

Até Mais!