Uncategorized

Bem Estar Animal

Parte II

Nesta Segunda e ultima parte do post sobre Bem estar Animal vamos definir procedimentos e praticas que ajudam no dia dia da fazenda.

Evitar procedimentos e práticas que causem dor desnecessária

Pessoas que executam tarefas veterinárias devem ser capazes de demonstrar competência, especialmente com procedimentos que podem causar sofrimento, como descorna e castração. Seguir as normas em relação a essas práticas (como marcação com ferro quente, corte de cauda, amputações de tetos). Boa higiene é essencial para procedimentos cirúrgicos. Considerar práticas alternativas no manejo dos animais.

Desenvolver um plano apropriado para parto que considere a escolha de touros (facilidade de parto), instalações seguras para partos e verificação regular dos animais. Ajuda profissional deve ser fornecida, se necessária. Animais recém-nascidos devem ser alimentados com colostro logo após o nascimento. Animais jovens devem ser desmamados assim que estiverem consumindo alimentos secos em quantidade suficiente.

Adotar procedimentos adequados para comercialização de animais jovens

Os bezerros não devem ser vendidos até terem resistência suficiente para o transporte. Peso corporal e umbigo seco são bons indicadores. Condições de transporte apropriadas determinadas pelas normas nacionais de bem-estar animal devem ser observadas.

Proteger os animais contra laminite

Corredores, pátios, salas de ordenha e currais devem ser construídos para minimizar a incidência de laminite. Cuidados com os cascos devem ser implantados e a dieta dos animais ajustada para minimizar a ocorrência de laminite. Casos de laminite devem ser investigados para determinar as causas predisponentes e instituição do tratamento adequado. Permitir que os animais se movimentem no ritmo próprio.

Ordenhar regularmente os animais em lactação

Estabelecer rotina adequada de ordenha de acordo com estágio da lactação que não estresse os animais.

Evitar práticas de ordenha que possam causar injúrias aos animais

Práticas deficientes de ordenha podem afetar o bem-estar e a produção animal. O equipamento de ordenha deve ter manutenção e cuidados regulares.

Evitar estresse ou dor desnecessários no sacrifício dos animais

Quando for necessário sacrificar animais doentes ou em sofrimento, isso deve ser feito prontamente e de forma a evitar dor desnecessária

Considerar o comportamento animal quando planejar a infraestrutura da propriedade e manejo do rebanho

As instalações devem ser bem planejadas para permitir o comportamento natural e movimentação mais fácil dos animais, reduzindo o número de interações negativas por parte dos funcionários. Tranquilidade e práticas de manejo consistentes que utilizam instalações bem projetadas promovem melhor produtividade e segurança pela redução do medo e do estresse.

Garantir que os funcionários que manejam o rebanho tenham treinamento apropriado

Adequado manejo do rebanho e habilidades zootécnicas são fatores importantes para o bem-estar animal. Sem competência e cuidado com os animais, o bem-estar animal pode estar comprometido. Um funcionário competente deve ser capaz de:

• reconhecer se os animais estão com boa saúde;

• entender o significado de uma mudança no comportamento dos animais;

• saber quando o tratamento veterinário é necessário;

• implementar um programa de sanidade animal, que inclua tratamentos preventivos e vacinações, quando necessário;

• implementar programas de alimentação dos animais e manejo de pastagens;

• reconhecer se o ambiente geral (interior ou exterior) está adequado para promover boa saúde e bem-estar;

• possuir habilidades para desenvolver o trabalho de acordo com a escala e requisitos necessários ao sistema de produção;

• lidar com os animais de forma calma e apropriada;

• antecipar potenciais problemas e realizar as ações preventivas necessárias.

Os funcionários devem estar familiarizados com o cumprimento de normas nacionais e com os padrões da indústria relacionados com a qualidade e segurança dos produtos. Os funcionários devem fazer anotações para demonstrar o cumprimento das normas ou programas de garantia de qualidade. Pessoas que já estão envolvidas no manejo animal devem se manter atualizadas sobre novas tecnologias na prevenção e correção de problemas de bem-estar.

Utilizar instalações e equipamentos adequados para o manejo dos animais

Garantir instalações e equipamentos adequados para o manejo dos animais, bem concebidos e conservados. Isso pode evitar lesões para as pessoas e para os animais. O uso cuidadoso dos equipamentos pode reduzir o medo dos animais e tornar mais fácil e seguro o seu manejo. Monitorar o comportamento dos animais para identificar aspectos das instalações ou equipamentos que possam provocar medo ou causar desconforto.

Adotar procedimentos zootécnicos e de manejo que não prejudiquem o comportamento

social e de descanso dos animais A maioria das espécies leiteiras é constituída por animais gregários. Adotar manejo e procedimentos zootécnicos que não prejudiquem desnecessariamente o comportamento natural dos animais, por exemplo, comportamentos de pastoreio, alimentação, reprodutivo e de descanso. Isto também significa que espaço suficiente deve ser oferecido para essas atividades.

Durante a inspeção diária dos animais, observar qualquer sinal de comportamento anormal. Assegurar que cada animal tenha espaço apropriado e que esteja se alimentando. Um indicativo precoce de doença pode ser a observação que o animal não está se alimentando. Machos inteiros adultos devem ser manejados e tratados de forma a respeitar o seu comportamento natural.

Para mais informações visite nosso site lactag.com.br